Arquivo da categoria ‘Burkina Faso’

Homenagem: George Ouédraogo, o “Gandaogo nacional do Burkina

Publicado: 7 de fevereiro de 2012 por Stephanie Malherbe em Burkina Faso

George Ouédraogo, o “Gandaogo nacional”, morreu no dia 2 de fevereiro em Ouagadougou, Burkina. Nascido em 1947 em Gogo-Komsilga, Georges faz seus primeiros passos como musico nos anos 60 no Tiko-Tiko bar, em Ouagadougou, capital do Burkina. Ele se muda depois para Bobo-Dioulasso, aonde integra o grupo Volta Jazz. Em 1969, vai para a Abidjan, na Costa do Marfim, que naquela época tem um forte poder de atração para os músicos do continente. Abidjan é um cruzamento, um lugar de encontro, aonde nascem muitos projetos… Ele vai então conhecer os músicos Jimmy Hyacinthe e Rato Venance, com quem vai para Europa, criando o grupo Bozambo, O grupo mítico lança seu primeiro álbum em 1976, que fiz dançar os clubes de Africa e da diáspora na Alemanha e na França. E o primeiro grupo a tocar musica do Burkina do exterior. Em 1978, Georges volta para sua terra natal depois de ter abandonado o famoso grupo.
Autor, compositor, baterista e cantor, esse pioneiro da musica do Burkina foi eleito em 2000 melhor artista do Burkina Faso durante a cerimônia dos Kunde de ouro.

Victor Démé

Publicado: 19 de setembro de 2011 por suelen06 em Burkina Faso

Nascido em 1962, o artista mandinga herdou muito jovem do amor da musica por sua mãe, uma griotte muito solicitada nas grandes festas de casamento e batizados de Bobo-Dioulasso. Mas é no pequeno ateliê do seu pai costureiro, em Abidjan, na Costa do Marfim,  que ele se exila na adolescência. De dia, ele trabalha na loja paterna, e de noite toca nos clubes da cidade, aonde começa a se construir uma reputação, especialmente no orquestra  Super Mandé. Ele volta no Burkina em 1988, aonde ganha vários prêmios e participa de diversos grupos, como o grupo Echo de l´Africa e, principalmente, o Suprême Comenba, que ritma as noites de Ouagadougou.

Mas, enquanto Victor Démé se tornou um cantor popular, o destino o afasta da musica durante vários anos. Quando tenta voltar depois desse longo silencio, a situação é muito difícil. Ele grava finalmente seu primeiro álbum, com 46 anos, em 2008, graças a ajuda de 4 franceses, dos quais o gerente do Ouagajungle, Camille Louvel e o jornalista David Coumeillas, e os ativistas do Soundicate, que fundam o label Chapa blues para poder apoiar sua musica.