Arquivo da categoria ‘Mauritania’

 

O maior festival gratuito do Brasil esta de volta em 2019 com ampla programação cultural.

MIMO de música, MIMO de arte, MIMO de cultura.

O Festival nasceu em 2004, em Olinda, e se tornou um legado cultural que há mais de 15 anos leva música, cinema, educação, ideias e poesia para o público de forma totalmente gratuita.

A programação do evento promove a valorização das cidades históricas, a descentralização do acesso à cultura e a disseminação da música em todas as suas formas e expressões, reunindo shows, festivais de cinema, workshops, palestras e chuvas de poesia, realizados em igrejas, museus, parques e teatros.

O MIMO já passou por diversas cidades brasileiras como Ouro Preto, Tiradentes, João Pessoa, Recife, Paraty e Rio de Janeiro e, em 2016, ganhou sua primeira edição internacional na linda cidade de Amarante, em Portugal.

Grandes nomes da música nacional e internacional como Herbie Hancock, Pat Metheny, Tom Zé, Ron Carter, Rui Veloso, Goran Bregovic, Mário Laginha, Céu, Pedro Burmester, Egberto Gismonti, Richard Bona, Hamilton de Holanda, Vieux Farka Touré, Paulo Flores, Seun Kuti… entre muitos outros, marcaram presença nos palcos do MIMO e, a cada edição, novos artistas participam do festival que já conta com 475 shows realizados até 2018.

Esse ano, o continente africano será mais uma vez muito bem representado,  com shows de Amadou& Mariam (Mali) e de Noura Mint Seymali, representando a Mauritania.

Amadou & Mariam

A dupla musical conhecida previamente como “o casal cego de Mali” superou esse rótulo com seu inovador trabalho musical, que une os ritmos tradicionais africanos ao blues, pop e rock.  Alcançando o patamar de porta-voz da história e cultura do seu povo para o resto do mundo, o duo formado por Amadou Bagayoko, guitarrista que se apresentava ao lado de Salif Keita no grupo Les Ambassadeurs du Motel de Bamako, e Mariam Doumbia, cantora e compositora, desbravou o cenário internacional e propagou o pop-africano no ocidente seguindo a missão de fazer as pessoas felizes com a sua música.

Depois do grande sucesso do disco “Dimanche à Bamako” produzido por Manu Chao, em 2005, Amadou e Mariam continuaram inovando e trazendo novos tons às melodias africanas. Com o lançamento do seu oitavo álbum internacional que recebe o título de “La Confusion”, em 2017, os dois dos mais populares artistas da África retornam com novas músicas, letras potentes e ritmos que remetem diretamente a sua terra natal, chamando atenção do público para o que está acontecendo em seu país, tanto politicamente quanto culturalmente.

A voz doce e suave de Mariam unida à guitarra blueseira de Amadou fizeram a fama da dupla extremamente carismática, representando uma parceria que vem de dentro e fora dos palcos. Os dois se conheceram no Instituto de Bamako para Jovens Cegos e, tendo a música como o grande elo de conexão entre os dois, apaixonaram-se e decidiram seguir juntos na vida e na carreira. Com sua força musical, conquistaram ao longo dos anos três indicações ao “Victoires de la Musique” e uma ao “Grammy Award para Best World Music Album”. Com poucas vindas ao Brasil ao longo da carreira, retornam em 2019 para apresentações exclusivas no MIMO Festival.

Apresentações em São Paulo:

  • Fórum de ideias Música e nação: o pop-africano no ocidente, SESC, espaço de tecnologias e artes, 22/11/2019, 16h30
  • Show na Praça das Artes, 23/11/2019,23h00

Apresentações no Rio de Janeiro

  • Fórum de ideias Música e nação: o pop-africano no ocidente, CRAB- Centro SEBRAE de referencia do artesanato, 30/11/2019, 15h00
  • Show na Fundição Progresso, 30/11/2019, 00h30
 

Noura Mint Seymali

Uma das mais corajosas e ousadas artistas da Mauritânia, é um fenômeno da atualidade. Começando sua carreira aos 13 anos, desenvolveu sua técnica vocal e instrumental compondo músicas e criando melodias experimentais que mesclavam os sons do Saara, Magreb e da África Ocidental com influências contemporâneas.

Seguindo um percurso musical ditado pelos costumes Griot e mantendo o compromisso de preservar e transmitir as tradições de seu povo, Noura se especializou com maestria na interpretação do som único do ardine: um instrumento de 9 cordas semelhante à harpa e exclusivo para mulheres. Seu álbum de estreia “Tzenni” alcançou o 1º lugar no “World Music Charts Europe”, em 2014 e, no ano seguinte, conquistou o prêmio da União Africana na categoria “Melhor Artista Feminina do Norte da África”, recebendo reconhecimento internacional e elevando a importância da participação feminina na indústria da música.

Acompanhada por seu marido Jeich Chighaly, na guitarra, por Ousmane Touré, no baixo e por Matthew Tinari, nos tambores, Noura vem pela primeira vez ao Brasil para se apresentar no MIMO após um show de grande sucesso no Festival em Amarante, na edição de 2018.

Apresentações em São Paulo:

  • Fórum de ideias e vozes femininas na tradição griot africana, SESC São Paulo, Espaço de tecnologias e artes, 22/11/2019, 11h00
  • Show na Praça da Artes, 23/11/2019, 19h00

Apresentações no Rio de Janeiro:

  • Fórum de ideias e vozes femininas na tradição griot africana, Centro SEBRAE de referencia do artesanato, 30/11/2019
  • Show na fundição Progresso, 30/11/2019, 19h

Noura
Originaria de uma longa linhagem de família de griots, Noura Mint Seymali (Mauritania) encanta com seu novo album solo, Tzenni, do nome de uma musica e dança dos griots mouriscas.
Se seu pai, Seymali Ould Mouhamed Val, trabalhou muito na difusão da musica tradicional da Mauritânia, Noura se afastou da postura tradicional do griot, tentando trazer modernidade aos ritmos tradicionais.


Filho de Hamidou Touré, um dos membros do mítico grupo Touré Kunda, os irmãos Elefantes, Daby Touré nasceu em 1971 no deserto mauritano, em Boutilimit. Filho de pais separados, Daby passou uma infância caótica entre a Mauritânia e o Senegal aonde se impregnou profundamente das culturas Soninke, Toucouleur e Wolof.
Em 1989, seu pai é convidado a integrar o grupo dos seus irmãos em Paris e leva Daby com ele. E lá que o jovem começa realmente a tocar, apesar da proibição paterna.
Em 1992, Daby monta o grupo Touré Touré com seu primo Omar, com qual lançam um primeiro álbum. Mas Daby quer outra coisa, ele quer encontrar um estilo mais pessoal…. Ele se tronca sozinho no quarto e compõe, escreve, afina… E assim que é lançado seu primeiro álbum solo em 2004, Diam. Seguido por Stereo Spirit, em 2007 e, em julho de 2012, Lang(u)age, um disco intimo que conta sua identidade múltipla e suas lembranças, como por exemplo a historia do seu avô Daby, que foi obrigado a partir do Mali para se instalar em Casamance por coisa da seca… Lang(u)age conta também com muitas participações, entre outras um duo com Seu pai Hamidou Touré, um duo muito simbólico entre Daby e seu pai, que demorou anos a aceitar que seu filho fosse musico….
Ao cruzamento das culturas tradicionais da Mauritânia e do Senegal e das culturas urbanas, Daby Touré se afirma com um estilo próprio, um estilo que conta sua historia pessoal com delicadeza e talento numa tonalidade pop.

Mais informações sobre o novo álbum do Daby Touré: http://www.dabytoure.com
E, só pelo prazer, Conexão África convida vocês a escutar Iris, do álbum Diam:
E 2 trechos do álbum Stereo Spirit: