Arquivo da categoria ‘Senegal’

A imagem pode conter: 4 pessoas, incluindo Stéphanie Malherbe, pessoas sorrindo, pessoas em pé

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas dançando e sapatos

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e multidão

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, multidão e atividades ao ar livre

A imagem pode conter: 5 pessoas, incluindo Stéphanie Malherbe, pessoas sorrindo, pessoas em pé

A imagem pode conter: 7 pessoas, incluindo Johnny Alves e Stéphanie Malherbe, pessoas sorrindo, pessoas em péA primeira feira internacional na Biblioteca Parque da Rocinha foi um grande sucesso, com recorde de publico e muitos países representados: Republica Democrática do Congo, com quem comemoramos juntos sua Independência, que ocorreu no dia 30 de junho de 1960. Mas também Gambia, Senegal, Haíti, Columbia, Peru, Argentina, Venezuela e China!

Isso não seria possessível sem a SABALY, que, alem do desfile, participou da organização da feira,  a Mawon que foi super parceira e a UFRJ que também participou.

A feira comportava barracas de comidas tipicas, roupas, joias e varias peças de artesanato e recebeu varias performances culturais: Tapetes contadores de Historias, Sussurra Poética, Peça de Teatro Uma Odisseia, pra entender melhor as dificuldades vividas pelos migrantes na sua chegada no Brasil, Desfile de moda da marca Sabaly, Performance de dança com fogo do artista congolês Foguinho Arobaze Paulo e no final, apresentação do bloco de refugiados Terremoto Clandestino. Foi bom demais!!!!

Touré Kunda: 40 anos de carreira!

Publicado: 9 de julho de 2018 por Stephanie Malherbe em # África, Senegal
Tags:, , ,

Senegalese pop mavericks Touré Kunda announce first album in 10 years, Lambi Golo

Os irmãos elefantes Touré Kunda comemoram seus 40 anos de carreira com o lançamento de um novo álbum, Lambi Golo, homenagem aos lutadores senegaleses. O disco, mistura de mbalax, ritmos da Casamance, funk, pop rock e reggae, é um convite aberto a dançar e sonhar.

 

Kora Jazz Trio: Novo album

Publicado: 23 de fevereiro de 2018 por Stephanie Malherbe em # África, Mali, Senegal
Tags:, , ,

Kora jazz trio7_n

Desde 2003, o Kora Jazz Trio incarna a fusão do jazz com a musica mandinga.

O novo álbum do grupo, PartIV, continua a aventura com o dialogo perfeito entre Kora, piano e percussões.

Os senegaleses Abdoulaye Diabaté (piano, composição) e Moussa Sissokho convidaram no álbum o jovem malinês Chérif Soumano, brilhante tocador de  kora e ex-aluno da escola de grande Toumani Diabaté.

O disco conta com suas próprias composições mas também com represas de grandes clássicos, como por exemplo Sodade imortalizada pala diva Césaria Evora.

Depois de 2 albums com convidados, o Kora Jazz Trio volta as suas origens com esse disco simplesmente emocionante.

Novo single do mítico Orchestre Baobab

Publicado: 9 de fevereiro de 2017 por Stephanie Malherbe em # África, Senegal
Tags:, , ,

orchestre-baobabPara esperar o lançamento do novo álbum do Orchestre Baobab, descobrem aqui o primeiro single do novo álbum, Tribute to Ndiouga Dieng, cujo lançamento é previsto para 21 de março 2017.

10 anos depois do lançamento do seu ultimo álbum e 50 anos depois da sua formação, o mítico grupo senegalês esta de volta com  um novo disco fiel a seu estilo fusionando ritmos afrocubanos e tradição africana. Gravado em Dakar, o disco é lançado pelo famoso label inglês World Circuit Records e é uma homenagem a Ndiouga Dieng, vocalista do Orchestre Baobad falecido em novembro 2016.

 

Grupo culto da musica afro-cubana made em Senegal, Orchestre Baobab (Gouy Gui em wolof) é fundado em 1970 em Dakar na iniciativa maestro Oumar Barro Ndiaye. Assessorado por Cheikh Sidath Ly, o grupo se forma em torno do cantor Abdoulaye Mboup, o “AbLaye Mboup” ou “Laye Mboup” (1937-1975), figura emblemática da musica senegalesa, Balla Sidibé, Barthélémy Attisso e de Mohamed Latfi Ben Geloun. Essa formação inicial receberá vários outros talentos da musica senegalesa como Rudolph “Rudy” Gomis, Issa Cissokho,  Ndiouga DiengMédoune Diallo, os irmões   Thione et Mapenda Seck, Charles Ndiaye, Peter Udo, Mountaga Koité,  Thierno Koité …

O grupo se produz no clube Baobab, donde tira seu nome, Orchestre Baobab.

Em 1978, o jovem produtor Ibrahima Sylla dirige uma das primeiras gravações do grupo no estúdio Golden Baobab, que pertencia ao filho do presidente Senghor, Francis Senghor. O grupo conhecerá uma notoriedade crescente, gravando uns 15 álbuns até 1985. Com o fechamento do clube e o desenvolvimento de outros estilos musicais, em especial o mbalax do Youssou N´dour, os integrantes do grupo se afastam e o orquestra é dissolvido em 1987.

Tudo mundo achava que o Orchestre Baobab estava morto para sempre, mas um baobab nunca morre…

Em 2001, Nick Gold, do label World Circuit Records, resolve tentar formar novamente a orquestra, como ele ja tinha feito com os Cubanos do Buena Vista Social Club. Reencontrando os antigos integrantes do grupo em vários lugaresele reedita o seu álbum mais famoso, Pirates Choice, inicialmente lançado em 1982, que ele acrescenta de novas musicas. O álbum conhecerá um grande sucesso na imprensa internacional e lança o grupo reconstituído em turnês internacionais.

Em 2002, sai o disco Specialist in All Styles, com participação do Youssou N´dour e do cubano Ibrahim Ferrer.

 

E em 2007 é lançado o album Made em Dakar.

10 anos depois, o Baobab esta de volta novamente, com esse novo álbum cujo lançamento será em março. Um baobab nunca morre…

 

Grande festa senegalesa em Niteroi

Publicado: 16 de novembro de 2016 por Stephanie Malherbe em # África, Senegal
Tags:,

A comunidade senegalesa do Rio de Janeiro convida a celebração do Magal Touba. Confira a programação:

touba

 

Puppa Lëk Sèn

Publicado: 3 de outubro de 2016 por Stephanie Malherbe em # África, Senegal
Tags:, , ,

puppa_lek_sen_cover_sweet_26_tuff_4

Originário da Ilha de Ngor, no Senegal, o ex rapper se tornou um dos grandes nomes do reggae africano.

Here, a linda homenagem de Awa Ly aos migrantes

Publicado: 27 de setembro de 2016 por Stephanie Malherbe em # África, Senegal
Tags:, ,

Image result for awa ly faada freddySem palavras: Here, a emocionante homenagem da cantora senegalesa Awa Ly a todos os migrantes que deixam o continente africano na esperança de uma vida melhor e que, muitas vezes, perdem a vida durante a travessia… Com participação especial do rapper senegales Faada Freddy.

Steph et Gana Ndiaye

Ontem recebi o pesquisador senegalês radicado nos Estados Unidos Gana Ndiaye. Ele esta no Rio para pesquisar sobre a comunidade senegalesa no Brasil e aproveitei para entrevistar ele e pedir para escolher a trilha sonora do programa:

Primeiro álbum: Initché, de Marema

Publicado: 1 de fevereiro de 2016 por Stephanie Malherbe em # África, Senegal
Tags:, ,

A nova geração do folk senegales

Marema[

Depois de uma turnê por 15 paises do continente africano, a cantora senegalesa Marema, vencedora do premio RFI 2014, lança seu primeiro álbum, Initché (obrigado em “mandinga”), com a cumplicidade do musico Mao Otayek, ex integrante do Solar System de Alpha Blondy nos anos 90. Nesse álbum gravado em Dakar no estúdio do griot Sidy Samb, a cantora confirma seu talento e revisita o folk senegalês.

Um álbum folk, herdeiro de artistas como Tracy Chapman, que sua mãe escutava quando ela era pequena, ou  Ismaël Lô:

Nascida no subúrbio de Dakar de um pai mauritano e uma mãe senegalesa, Marema carrega sua mestiçagem na sua identidade. Marema se formou na escola de musica da Casa de cultura “Douta Seck” antes de se tornar corista de artistas senegaleses de primeiro plano como Didier Awadi, Viviane Chidid Ndour, Yoro Ndiaye et Idrissa Diop antes de ser descoberta pelo artista Mao Otayek que orientou ela na sua carreira solo.

Em 2014, Marema explode com a musica “Femme d´Affaires” (mulher de negocio) que será premio do jury Star Africa Sounds e premio Descoberta RFI:

Com sua voz pura e seu estilo singular, Marema é a esperança da musica senegalesa. Initché (obrigada) Marema!!!

 

Baba Maal lança novo disco!

Publicado: 21 de janeiro de 2016 por Stephanie Malherbe em # África, Senegal
Tags:, ,

Baba Maal the traveller

O imenso artista senegalês Baba Maal inicia o ano com novo álbum, The Traveller (o viajante), fusão eletro dos sons do rio Senegal:

Nascido em Podor numa família de pescadores, Baba Maal cresceu nas margens do rio Senegal, o rio que faz a fronteira com a Mauritânia. Podor é uma cidade de misturas onde todas as etnias da Africa ocidental eram representadas, wolofs, maures, mandingas… Peul toucouleur, ou halpular, Baba Maal estudou a musica em Dakar (Senegal) e Paris (França). Durante dois anos iniciáticos, ele embarca com seu amigo griot Mansour Seck numa viagem pela África ocidental. Em 1985, Baba Maal e seu amigo Seck criam a banda Daande Lenol (a voz do povo), com quem ele grava, entre outras, o clássico blues do deserto Djam Leelii:

Desde os anos 80, Baba Maal gravou vários álbuns solo, viajou varias vezes pelo planeta e trabalhou com nomes como hans Zimmer, Peter Gabriel, Tony Allen ou ainda U2. Apesar do sucesso internacional, ele continua cantando em pulaar, a língua fulani do rio Senegal e se tornou verdadeiro embaixador dessa cultura, com um estilo musical inspirado pelo ritmo toucouleur yéla.

Artista engajado, Baba Maal é tambem representante do programa das nações unidas pelo desenvolvimento e é implicado em varias ações a favor do continente africano e dos africanos.

O novo disco, com tonalidades eletros, foi produzido pelo produtor sueco Johan Hugo (The Very Best, M.I.A…) que ele encontrou durante a turné Africa Express, de Damom Albarn, é um convite à viagem. As duas ultimas musicas do álbum, War e Peace, contam com a participação especial é o poeta inglês de origem etiopia Lemn Sissay, que Baba tinha encontrado durante o evento Africa Utopia que ele coproduziu nos JO 2012.

Com esse novo álbum, Baba Maal não só nos convida a viajar e descobrir quanto a “humanidade é maravilhosa”, ele continua lindamente uma odisseia iniciada há mais de 60 anos nas margens do rio Senegal.