Posts com Tag ‘musica togolesa’

Fofo Skarfo, o principe do rap togoles

Publicado: 7 de fevereiro de 2019 por stephanie100africa em # África, Togo
Tags:, , ,

O togolês Fofo Skarfo lançou no inicio desse ano seu primeiro álbum, 13 janvier. Originário de Lomé, o dinâmico Fofo Skarfo começou sua carreira em 2004 e é considerado um dos rappers mais talentosos da sua geração. Em dezembro, ele divulgou o clipe Petit Pays, uma musica emocionalmente forte e bem diferente do seu sucesso anterior, Agomayi, mais urbano. Um artista a seguir….

King mensah
Originário de Adamé, na região dos lagos, Mensah MENSAH é o terceiro de 6 filhos, ele passou a maior parte da sua infância em Lomé Bé Kpota.
Ele tem apenas 13 anos quando seu pai, cantor tradicional, morre. Sua mãe, que tudo mundo chama Da Vaudou, originaria de Oumako (Benim), uma cidade sede do Aghadja, uma dança tradicional de certas regiões do Togo e do Benim, se torna o mentor dele. Essa influencia das culturas tradicionais é sua inspiração. King, em referencia ao leão, o rei da floresta, soube criar seu próprio estilo, baseado nas culturas tradicionais, especialmente as do Togo, misturado com as tecnologias ocidentais. Artista estiloso, sempre de boné (alguns dizem que é para esconder uns fetiches…) King Mensah participou de vários grupos antes de lançar seu primeiro opus, em 1995, MADJO, que marca o incicio de uma brilhante carreira solo.
King Mensah, também chamado de Papavi (pequeno pai, porque quando ele era pequeno, ele fazia o papel do seu falecido pai), é também um homem de grande coração. Oriundo de uma família muito humilde, ele se prometeu que ia ajudar as crianças em dificuldades. E assim que, em 2005, ele abre a Fundação King MENSAH, ONG, dentro de qual ele cria o orfanato ALODO, o que significa ajuda mutua.


Fifi Rafiatou, a diva togolesa

Publicado: 28 de maio de 2014 por stephanie100africa em Togo
Tags:, , ,

Fifi Rafiatou

Nascida nas colinas de Ifé, em Atakpamé, e marcada desde a infância por um pai flautista e um primo cantor, Fifi Rafiatou começou a cantar com apenas oito anos de idade em um coral da Igreja Protestante.
Ela é descoberta alguns anos depois durante o concurso inter-cidade organizado pela Radio Lomé e num festival destinado a premiar os melhores artistas do Togo.
Em 1985, ela decide realmente de se lançar na musica com o lançamento do seu primeiro disco.
De 1985 até hoje, ela acumula as turnês com muito sucesso, representando a musica togolesa na Alemanha, na França, no Senegal, no Congo, no Gabão, na Costa do Marfim, na Itália, na Holanda, na Suíça, na Líbia, na Belgica, no Benim, no Gana, na Corrêa, Burkina, USA, Marrocos, etc…
Fifi realizou vários álbuns e é uma das raras artistas togolesas que consegue impor sua arte alem das fronteiras do Togo. Lançou em 2007 seu ultimo álbum, Le défi (o desafio), que comporta um single que denuncia as guerras num mundo aonde os direitos das crianças não são respeitados (Message aux Nations Unies). Ela também comercializa seu próprio champagne, “Et Dieu CREA La Femme”.


Bella Bellow
No dia primeiro de agosto de 1960, o Dahomey (antigo Benim) comemora sua independencia com a voz de uma das maiores cantoras do Togo, Bella Bellow. Jovem, linda, com uma voz sensual, Bella Bellow ultrapassou rapidamente as fronteiras do seu pais. Um enorme sucesso pan-africano e internacional! Um dia que ela passava num programa da TV da Costa do Marfim, teve tantas ligações que bloqueou o estandarte durante 240 minutos. Aquela que Myriam Makeba considerava a maior cantora da África francófona, que encantava os públicos de Paris ou de Rio de Janeiro, teve um destino trágico, morrendo com apenas 27 anos num acidente de carro. Sua morte fechou também a breve primavera musical no Togo, afogada pelo governo de Eyadéma Gnassimbé…